Minha história de vida.

Hoje, assisti uma palestra que casou exatamente com meu desejo de expor para vocês minha vida, minha história, mas é claro que não da pra colocar tudo aqui nesta publicação, mas vou tentar resumir.

Sou formada em psicologia, muito por acaso, não foi minha primeira opção, porém na primeira vez que fiz o vestibular eu não passei. Foi uma pressão imperceptível, pois eu ouvia sempre que era obvio que eu passaria ja que sempre fui boa aluna, mas eu não acreditava nisso. Eu era meu sabotador. Super estressada, adoentada, e com a obsessão de entrar na faculdade ainda jovem, decidi me inscrever em todas as faculdades nas áreas mais próximas a biomédica, e assim cai na psicologia, e sabe que amei?!!!!!

Nunca durante a faculdade tive duvida da minha opção, porém, infelizmente, após me formar passei por situações humilhantes na pós-graduação com pessoas da minha área, fato que até hoje não entendi o verdadeiro motivo. Enfim eu ali estava largando minha profissão e nem sabia que era definitivo, não sei se para sempre, mas neste momento voltar para o que amava fazer não é financeiramente viável.

Após meu casamento aconteceu algo repentino, surgiu um curso perto de casa de estética canina e como eu não havia passado no vestibular para veterinária, la fui eu aprender a tosar minhas duas poodles, porém, para minha grande surpresa, estava empregada sem sequer procurar emprego antes da última aula! Foi ai que fiquei um certo tempo trabalhando ate decidir engravidar.

Após minha gravidez decidi que ficaria cuidando de minha filha até os quatro anos, o que aconteceu é que, depois desta época, havíamos decidido adotar um menino que chegou a nossa casa já com cinco anos. Foi ai que não voltei mais a pensar em trabalho, queria observar e ajudar ele de perto e não acho que alguém poderia fazer melhor.

Mas tinha uma coisa que me incomodava muito: não ganhar dinheiro. Eu era revendedora Avon, mas não ganhava com isso, apenas me sentia menos inútil, pois eu me sentia assim sem trabalho. Foi quando surgiu a chance de fazer aulas de pintura em mdf enquanto eles estava na escola e sai feliz da vida por ver que poderia fazer algo que eu tinha prazer, assim também comecei a vender sem fazer nenhuma força ou propaganda.

Acabei parando nem sei o motivo, e junto com isso veio meu divórcio quando eu não tinha nenhum emprego. Encasquetei que precisava trabalhar e dar um amparo aos meu filhos, logo precisaria de empregada, um passeador, pois tenho dois cães, e provavelmente professor particular, mas como iria conseguir isso?

Nesta época eu estava alugando quartos da minha casa e ouvindo todas as semanas dos riscos que eu poderia estar me submetendo. Não era uma escolha e sim uma necessidade, e assim poderia estudar. Acontece que passar em um concurso público não acontece da noite para o dia. E eu estudava com meus filhos, depois estudava minhas matérias, passava os sábados no cursinho e caía morta aos domingos.

Percebi que estava infeliz, não me imaginava em um local fechado trabalhando depois de anos de estudo e vendo minha casa desmoronar bagunçada, quebrada precisando de uma pintura e de um olhar mais animado para a escola das crianças, eu parei de estudar após uma três concursos. Todos fiz como experiência e vi que cada um serviu para ver meus pontos fracos em alguma matéria, seria muito bom se eu tivesse uns dois anos de tempo me dedicando,  pois, com certeza, estaria muito bem empregada, mas perderia dois anos da vida das crianças, e minha casa estaria acabada além das dívidas que eu não conseguiria pagar mais.

Assim eu tive a sorte de me deparar com um curso de marketing online e começar a ouvir falar de empreendedorismo, e me dar conta de que eu precisava começar rapidamente se quisesse ter algum retorno a longo prazo. Aprendi a fazer um blog, fazer uma loja, fazer as peças, o cartão, o nome, logo, banner, era muita informação mas eu estava decidida.

Só que quando eu abri a utileart eu me dei conta que precisava me aprimorar muito mais, que as técnicas mudaram que haviam muito mais coisas que eu não sabia, e agora estou tentando encontrar essa minha identidade. Posso estar perto ou não, depende da movimentação do nicho que eu escolhi, mas creio que posso caminhar a passos lentos para ganhar mais confiança no que decidi fazer.

É isso, eu não vou dizer que não há desânimo, vontade de desistir, chorar, me descabelar, mas sei que preciso neste momentos, me dar pequenas metas, e fazer com que elas caminhem. Tenho meus limites, tenho minhas inseguranças. Tenho meus altos e baixos, mas descobri que isso é muito normal! Conseguir contactar pessoas que trabalham com artesanato, assistir as palestrar com estas pessoas elevaram meu humor com as palavras delas, agora não fico sozinha com minhas ideias e paredes, compreendi que estamos no mesmo barco e muito perto de conversar sobre tudo isso, com qualquer um dos artesãos.

Tudo isso adicionando os palestrantes no face, mantendo contatos por emails e divulgando meu blog para que eles também possam ter acesso.

Ainda tenho muito que estudar e reler de todos as palestras, mas estou feliz com essa mudança na forma de encarar as coisas. Cada vez que abro meu e-mail e leio um texto deles eu me sinto cobrada em sair da posição de segurança estática. Falo para mim: foco e força sempre! E vamos nos mexer senão nada acontece.

Assim vou engatinhando e levantando com minhas idéias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s